Afinal, por que a norma ISO 27001 é importante para meu negócio?

Afinal, por que a norma ISO 27001 é importante para meu negócio?

Afinal, por que a norma ISO 27001 é importante para meu negócio?

A segurança da informação é uma questão de extrema preocupação para qualquer empresa. Com a transformação digital e a valorização ainda maior dos dados armazenados e manipulados por uma organização, o conceito passou a representar uma verdadeira estratégia de negócios.

As empresas passaram a buscar se adequar à norma ISO 27001, que estabelece os critérios e padrões de excelência em segurança. Entretanto, é natural ter algumas dúvidas ao lidar com esse tema. Afinal, qual é a importância dessa norma? Quais são os impactos da sua implementação? Por que uma empresa deve se preocupar com isso?

Neste artigo, você encontrará as respostas para essas e outras perguntas. Confira!

Origem e orientações da norma ISO 27001

A norma ISO 27001 foi publicada originalmente em 2005 pela International Standardization Organization (ISO), e teve sua última revisão em 2013. Seu objetivo é estabelecer critérios para a gestão da segurança da informação em organizações. Além disso, ela tem como base a norma britânica BS 7799-2.

Um dado interessante é que a ISO 27001 possibilita a obtenção de uma certificação de cumprimento dos seus critérios. Assim, sua empresa pode, por meio de um documento certificado por um órgão de reconhecimento internacional, atestar o cumprimento de práticas de segurança com nível de excelência.

Grosso modo, o foco da norma é proteger a organização em relação à confidencialidade, integridade e disponibilidade das suas informações.

Na prática, isso é feito por meio da identificação de problemas em potencial — ou seja, com uma estratégia de avaliação de riscos. Para complementar, são elaboradas práticas que visam prevenir a ocorrência desses incidentes.

Resumidamente, é possível afirmar que a ISO 27001 tem como principal filosofia a gestão de riscos.

Vantagens de se investir na certificação ISO 27001

Toda organização — pequena, média ou grande —, qualquer que seja o seu setor de atuação, tem algum tipo de informação que precisa proteger. Diante disso, mais do que garantir um nível adequado de segurança, a norma ainda gera impactos secundários extremamente relevantes para os negócios.

Para começar, a própria atuação da empresa no mercado pode ser limitada pela ausência desse padrão de segurança. Para operar na bolsa de valores, por exemplo, é preciso atender a certos critérios estabelecidos por auditorias. Nesse sentido, a grande vantagem da ISO 27001 é funcionar para qualquer empresa, independentemente de seu tamanho ou nicho.

A norma conta com um guia completo de implantação e um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI), o que permite implementar o processo e garantir sua continuidade. Assim, será possível comprovar para o mercado que a sua empresa cumpre com os requisitos.

Essa conformidade com os critérios legais, aliás, representa um diferencial competitivo diante da concorrência. Até porque diversas empresas só estabelecem negócios com parceiros que possuem a certificação. Consequentemente, isso pode ser utilizado até nas suas ações de marketing.

Na verdade, a segurança da informação é hoje uma questão de sobrevivência no mercado. Os sequestros de dados nos últimos anos, por exemplo, nos mostram como grandes empresas podem até quebrar por falta de uma proteção digital eficiente.

Justamente por isso, é preciso compreender exatamente do que trata a segurança da informação nesse contexto. É o que veremos a seguir.

O conceito de segurança da informação conforme a ISO 27001

A abrangência da norma é bem ampla, o que costuma gerar algumas dúvidas. Como o assunto trata diretamente da segurança da informação — e, por consequência, de questões relacionadas ao setor de TI —, muitas pessoas acreditam que a norma indica, basicamente, a instalação e o uso adequados de softwares. Entretanto, o alcance da ISO 27001 é muito maior.

Para prevenir brechas, é preciso implementar políticas específicas para gerenciamento de processos, recursos humanos, proteção judicial, segurança física etc. Então, o que é, exatamente, a segurança da informação?

De acordo com a norma, trata-se de uma proteção contra diversos tipos de ameaça que visa garantir a continuidade das operações de uma empresa. Isso significa, em suma, mitigar qualquer tipo de problema que coloque em risco o funcionamento dos negócios.

Conforme destacado pela norma, essa proteção envolve três conceitos-chave:

  • a confidencialidade, que sugere o controle de acesso à informação;
  • a integridade, que visa evitar que os dados sejam perdidos, roubados ou corrompidos;
  • a disponibilidade, que envolve garantir o acesso dos dados sempre que necessário.

Esses são os pilares que formam o alicerce de uma política de segurança da informação e permitem o cumprimento dos requisitos estabelecidos pela ISO 27001.

Os impactos relevantes para as companhias que seguem a norma

Além das vantagens citadas anteriormente, é preciso compreender exatamente o que muda na empresa, tanto interna quanto externamente.

Para começar, o aumento da segurança rapidamente se transforma em melhoria contínua. Afinal, a tendência é que a implementação da norma gere um processo de revisão e ajuste fino em diversos pontos. Graças a isso, a sua empresa otimiza processos e reduz custos operacionais.

Então, a reputação frente ao mercado se torna elevada, e esse reconhecimento traz novos clientes. Até o consumidor final, em diversos setores, já se preocupa em comprar produtos que atendem a normas desse tipo.

É preciso ter em mente, contudo, que isso exige algumas mudanças nos níveis destacados acima. O comportamento dos colaboradores, por exemplo, deve ser adequado — e isso vai de questões simples, como a conscientização sobre o uso seguro da internet, até mais complexas, como o uso de credenciais.

Uma política de segurança robusta também deverá ser implementada, assim como soluções que promovem a segurança nos processos de rotina. Isso envolve, por exemplo, a gestão de credenciais, o uso e a troca das senhas dos colaboradores, o armazenamento de registros das atividades dos usuários na rede, a aplicação de auditorias etc.

Todo esse processo exige mudanças estruturais e comportamentais. Por isso, é preciso estar atento a alguns detalhes, como mostraremos a seguir.

Os passos para implementar a ISO 27001

É importante ter em mente que a norma em questão faz parte de uma família mais ampla — a ISO 27000. Portanto, em primeiro lugar, é importante entrar em contato com a ISO 27002, que detalha as 133 práticas de controle a serem implementadas pelo ambiente de TI.

Logo no início, a direção da empresa deve estabelecer o que, de fato, será protegido e registrar essas informações de escopo no SGSI. Com base nisso, serão desenvolvidas as políticas, normas e demais regras de segurança a serem seguidas pelos colaboradores.

O grande desafio aqui está na criação desses documentos e na conscientização dos funcionários. É preciso abordá-los gradualmente, mas de forma completa. Promover treinamentos, criar um fluxo de e-mails informativos e criar termos de compromisso para serem assinados são exemplos de ações importantes nesse sentido.

Além disso, o engajamento coletivo é fundamental, mas estabelecer meios de responsabilidade legal é uma estratégia insubstituível para evitar que falhas individuais coloquem em risco a atuação da empresa frente aos clientes.

Para complementar, é preciso estabelecer meios de monitorar e auditar a implementação das novas regras e soluções. Afinal, por mais que seja um processo que pareça complexo, se os documentos fornecidos pela norma forem seguidos à risca é possível, sim, realizar um trabalho de excelência.

Enfim, com base no que vimos neste artigo, faça uma análise em sua empresa e veja como a norma ISO 27001 pode ser uma importante aliada para garantir a segurança da informação e trazer bons resultados para os negócios!

Agora, se quer mais conteúdos completos sobre o tema, aproveite para seguir nossas páginas no Facebook e LinkedIn!

2018-09-25T14:25:58+00:00

Deixe seu comentário